EMPRESAS

Que fazem parte do Núcleo Catarinense de CCQ

Indaial Papel Embalagens Ltda

 

Endereço: Rua Dr. Blumnau, nº 10101

Telefone: (47)3301-0191

Contato: Fernanda Faggiani

Contato:  Tatiana Alves Sepa Pinheiro

Site: www.indaialpapel.com.br

 

 

HISTÓRICO

 

Em março de 1981, os fundadores da Indaial Papel Embalagens Ltda (IPEL) idealizaram a montagem de uma pequena fábrica de papel. Possuíam amplo conhecimento na produção de papel, herdado de suas atividades profissionais anteriores. A matéria-prima seria constituída de aparas (fardos de papel prensado) oriundas de reciclagem. Já em abril de 1981, foi iniciada a montagem de uma oficina para a confecção de componentes e peças e, ao mesmo tempo, ergueu-se o primeiro galpão. Os recursos financeiros provinham exclusivamente de economias próprias, salários e empréstimos familiares, sem qualquer financiamento oficial.
A produção efetivamente foi iniciada em 12 de março de 1986 com o papel HD, destinado principalmente para o mercado de embalagens.
No ano seguinte, passou-se a produzir papel tipo HD nas cores rosa e verde e papel semi-kraft. A produção atingia uma média de 120 toneladas de papel por mês. Entre 1989 e 1991, com a implantação de várias melhorias, a produção estabilizou-se em 320 toneladas por mês.
Em 1990, decidiu-se pela montagem da segunda máquina de papel (MPII) com mesa plana, porém com 20 cm a mais na largura, diferenciando da MPI que era de forma redonda.
Com o mercado de papel para embalagem cada vez mais restrito e concorrido, devido à força que as embalagens plásticas vinham ganhando, resolveu-se que, nesta segunda máquina, se produziria papel tissue, mais especificamente, papel toalha para fins sanitários, para venda exclusiva a pequenos convertedores.
Em função de uma oportunidade de compra de maquinário convertedor, em março de 1992, iniciou-se, na própria fábrica, a conversão (corte e embalagem) de papel toalha institucional, em formato de pequenas bobinas.
Em 1993 a empresa adquiriu mais algumas máquinas convertedoras, desta vez interfolhadeiras, para a conversão das bobinas jumbo em toalhas interfolhas. Neste mesmo ano, também adquiriu um imóvel vizinho, que dobrou sua área. Iniciou-se então seu processo de expansão de depósitos e área para conversão das bobinas jumbo.
Os papéis HD e Semi-kraft foram perdendo terreno para as embalagens plásticas ao ponto de se decidir pelo encerramento da produção.
No início de 1994, elaborou-se um plano de investimentos e controles visando a qualidade e uniformidade do produto e maior produtividade fabril. Nesse processo, selecionaram-se os fornecedores de aparas de melhor qualidade e estabeleceu-se um rígido controle em todo fornecimento. Foram revistas e re-projetadas todas as etapas de limpeza e depuração do circuito de preparação de massa de papel, através de otimização dos equipamentos existentes, assim como aquisição de outros novos.
Em decorrência disto, surgiram os investimentos na expansão da fábrica, visando uma maior capacidade de estocagem, com consequente redução de custos para os clientes distribuídos por todo nosso território nacional. Também foi melhorado o aspecto dos pacotes/embalagens, assim como pelo manuseio mais racional e melhoria do ambiente de trabalho para os colaboradores.
No final de 2000 e início de 2001, um dos maiores clientes da empresa, que representava mais de 70% das vendas encerrou suas atividades, obrigando a IPEL a procurar novos rumos, expandindo assim sua rede de distribuição para diversos clientes.
Fez uma grande pesquisa de mercado para verificar os produtos que estavam sendo consumidos, qual demanda estava sendo coberta e quais eram os produtos mais promissores. Em função disto, foi feita a aquisição de equipamentos adequados à produção de produtos mais bem acabados e feitos os primeiros investimentos em propaganda para lançamento de produtos de primeira qualidade.
Outro grande desafio foi a busca de parceiros para o lançamento de produtos com suas marcas próprias, ou seja, o papel produzido pela IPEL era embalado na marca do próprio cliente. Atualmente, este nicho representa grande parte da produção da IPEL, sendo que embala cerca de 150 marcas diferentes, de clientes do Brasil todo.
Em 2006 a MPIII entrou em funcionamento, fato este que representou forte incremento no volume de produção, aliada a níveis elevados de qualidade.No mesmo período teve início o processo de adequação do Sistema da Qualidade aos requisitos da norma NBR ISO 9001:2008. 
Em 2009, visando a sua sustentabilidade, o crescimento e expansão para novos mercados, a IPEL iniciou o projeto da MP IV, uma nova planta de produção, assim como também a compra de uma nova caldeira, com a característica de co-geração de energia, além do vapor necessário para alimentar as 4 máquinas de produção.
A IPEL também tem investido frequentemente na automação de seus processos e na compra de novos equipamentos e maquinários para o processo de conversão.
O referido Sistema conta com os Facilitadores da Qualidade: Redatores, Auditores Internos, Comitê da Qualidade, Comitê do Programa 5S, Assistente da Qualidade e Analista da Qualidade, tendo como alicerces: a melhoria contínua e a satisfação dos clientes.

 

 

O PROGRAMA DE CCQ IMPLANTADO NA EMPRESA

 

O programa de CCQ chamado de "Ideias e Pessoas em Ação" iniciou na IPEL em Janeiro/2014.

O principal objetivo do programa é aumentar a confiabilidade e a qualidade do trabalho ou produto através do aperfeiçoamento, realizando cada atividade de uma forma melhor, buscando alcançar assim padrões de trabalho cada vez mais elevados.

Todos os projetos passam por análise crítica de um comitê composto por Diretoria e Superintendentes.

A pontuação é obtida através do monitoramento mensal da participação dos integrantes do grupo nas reuniões e de acordo com conclusão dos projetos de melhoria, classificados em categorias: Ver e Agir e PDCA.